fbpx

ACNE – UMA DOENÇA BACTERIANA

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on email
O PAPEL DO CONSULTOR DE PELE Em casos de acne o papel do consultor de pele é fundamental. Ele precisa saber avaliar o grau de acne do seu cliente, entendendo que apenas a de Grau I poderá ser tratada com cosméticos. A partir do Grau II é necessário avaliação e tratamento com uma esteticista e/ou dermatologista. Se o consultor não tiver esse conhecimento ele pode colaborar para o agravamento do quadro acneico do seu cliente. Ao contrário, se entender sobre graus de acne, ativos cosméticos para trata-la, equilíbrio entre óleo e água na pele e outras informações que foram passadas nesse artigo sobre o assunto, poderá ser de grande valia para seu cliente, ajudando-o a tratar e até mesmo a resolver o problema.

ACNE – A IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO

Sou esteticista há mais de 20 anos e já me deparei com centenas de casos de acne durante o exercício da minha profissão.

É visível a mudança de comportamento das pessoas com relação à essa doença bacteriana ao longo do tempo.

Logo que comecei a atender era pouco comum receber adolescentes em meu consultório.

Normalmente os clientes que chegavam a mim com pele acneica eram adultos que tinham o problema desde a adolescência, mas que não haviam tratado naquela época.

Isso porque nos idos de 1990 a maioria dos pais pensava que acne era “coisa da idade” e que “passava com o tempo”.

Dessa forma, os adolescentes sem apoio financeiro e mal orientados eram vítimas fáceis da proliferação bacteriana que infestava sua face e algumas vezes também ombros e costas, tendo que lidar com apelidos constrangedores como “chokito”.

Aos poucos a conscientização da gravidade do problema propagou-se.

Os adolescentes começaram a cobrar ajuda dos seus pais e esses passaram a buscar informações com dermatologistas e esteticistas.

A indústria cosmética também passou a dar mais atenção às peles acneicas.

Loções tônicas com álcool, que muitas vezes ocasionavam o “efeito rebote”, foram banidas.

Produtos com composições bactericidas e seborreguladoras, mas que preservavam a hidratação da pele, passaram a fazer parte dos cuidados diários home care daqueles que lidavam com o problema.

Dessa forma, hoje o panorama está muito mais favorável para o combate à acne, mas ainda vemos quadros severos ocasionados pela falta de informação.

Muitos pais ainda não priorizam cuidados profissionais para seus filhos, seja por ignorância, seja por falta de recursos financeiros para recorrer a um dermatologista ou a uma esteticista.

Muitas pessoas não valorizam a importância da limpeza de pele com extração para tratar os graus I e II que pode evitar a evolução dos processos inflamatórios.

Consultores de vendas diretas despreparados oferecem cosméticos que não são capazes de combater os sintomas mais sérios da doença, acabando por privar seus clientes de um tratamento adequado e profissional.

Por todos esses motivos acredito que detalhar o assunto “acne” faz-se necessário, com o objetivo de educar as pessoas, evitando o desenvolvimento de quadro severos que levam a cicatrizes na pele e na autoestima.

PROCESSO DE FORMAÇÃO DA ACNE

O folículo piloso é uma estrutura localizada na derme, segunda camada da pele, capaz de produzir pelos.

Quando existe uma glândula sebácea anexa a ele, passa a ser chamado de folículo pilosebásseo.

A acne é uma alteração do folículo pilossebáceo onde ocorre aumento da produção de sebo, podendo ocasionar processos inflamatórios.

A acne costuma surgir na adolescência, proveniente de mudanças hormonais, com alta produção de testosterona, hormônio masculino que estimula o funcionamento das glândulas sebáceas.

Nessa fase, a acne atinge cerca de 60% das meninas a partir de 14 anos e 70% dos meninos a partir de 16 anos.

Os graus mais severos de acne acometem os meninos, porém as meninas podem ter que lidar com o problema por mais tempo em função de distúrbios hormonais que ocorrem em diferentes fases da vida da mulher.

Alguns fatores colaboram para que uma pessoa desenvolva a acne:

  • Predisposição genética
  • Tendência hereditária (existe 50% de possibilidade das pessoas cujos pais tiveram acne de terem o problema também)
  • Distúrbios na produção dos hormônios sexuais
  • Desequilíbrio da flora bacteriana natural por baixa imunidade ou maus cuidados com a pele
  • Estresse emocional (afeta o equilíbrio hormonal)

Em geral, o processo de formação da acne acontece em quatro etapas:

  1. Aumento considerável da produção de sebo
  2. Acúmulo de células mortas queratinizadas na superfície da pele, ocasionando obstrução do óstio (orifício por onde sai o pelo). Assim, o sebo fica retido no interior do folículo, originando um processo irritativo em sua estrutura, podendo até mesmo rompe-la
  3. Aumento da flora bacteriana contaminando o sebo retido no interior do folículo ou contaminando a região adjacente quando há extravasamento de sebo para a derme
  4. Alterações químicas do sebo: ocorre a oxidação dos ácidos graxos livres presentes no sebo, evoluindo para a inflamação das paredes dos folículos, gerando o que chamamos de pústulas (espinhas com a ponta amarela)

Há dois tipos distintos de orifício sobre a pele:

  • Óstios: orifício por onde sai o pelo e a produção da glândula sebácea, que é o sebo
  • Poros: orifício por onde sai a produção das glândulas sudoríparas, que é o suor

Apesar de haver essa diferenciação, convencionou-se chamar ambos orifícios de “poros”.

GRAUS DA ACNE

A acne é classificada de acordo com a evolução dos processos inflamatórios, variando do grau I, onde não há inflamação, ao grau V, bastante severa e agressiva.

A partir do grau II todos os graus de acne apresentam lesões inflamadas, devendo ser tratados por dermatologista.

As peles acneicas precisam de cuidados diários diferenciados e ignorar essas necessidades pode agravar o problema, uma vez que os processos inflamatórios precisam de ativos específicos para serem combatidos.

Algumas marcas de cosméticos possuem linhas específicas para peles acneicas, mas ainda assim, a partir do grau II é recomendado que um dermatologista seja consultado para a indicação correta dos produtos home care.

Os graus III e IV de acne costumam ser tratados com antibióticos de uso tópico e oral, sempre indicados por médicos.

O grau V, bastante raro e grave, exige internação hospitalar para que o tratamento seja feito sob supervisão médica em período integral.

Vejamos a seguir a classificação da acne de acordo com o seu grau.

Grau I – não inflamatória

O quadro de acne grau I apresenta apenas comedões, vulgarmente conhecidos como “cravos”.

O cravo nada mais é que o sebo produzido pela glândula sebácea.

Nesse quadro também chamado de acne branda não há processos inflamatórios.

Os cravos classificam-se como:

  • Comedões fechados ou cravos brancos: nesse caso a pele fecha a saída do óstio, mantendo o sebo coberto. Como ele não entra em contato com o oxigênio, não oxida, mantendo sua cor original, que é branca ou levemente amarelada.
  • Comedões abertos ou cravos pretos: nesse caso não há pele cobrindo a saída do óstio, portanto o sebo entra em contato com o oxigênio e oxida, gerando a cor escura. Resíduos de maquiagem e poluição também podem colaborar para o escurecimento do sebo nos óstios abertos.

Grau II – pápulo-pustulosa

O quadro de acne grau II apresenta cravos e pústulas, que são pequenas lesões avermelhadas ou com a ponta amarela em função do acúmulo de pus.

Em geral as pústulas são chamadas de “espinhas”.

A pele apresenta rubor, que é uma coloração avermelhada, leve edema e ao tocar o local inflamado, pode-se sentir a região quente.

Grau III – nódulo-cística

Além dos cravos e pústulas, o quadro de acne grau III também apresenta cistos, que são lesões maiores e internas com um nível inflamatório aumentado.

No grau III o rubor, calor e edema são mais evidentes e as lesões são bastante doloridas.

Grau IV – conglobata

O quadro da acne grau IV é bastante severo.

Apresenta cravos, pústulas, cistos e abscessos, que são conglomerados de cistos, causando lesões bastante aumentadas e profundas, geralmente resultando em cicatrizes.

No grau IV todos os sintomas são muito intensos, causando uma deformidade no aspecto geral da região afetada.

Grau V – fulminans

O tipo mais grave de acne felizmente é raro.

As lesões com alto nível inflamatório se espalham pelo tronco.

Compromete o organismo de forma sistêmica causando fadiga, febre, mal-estar e dores musculares e articulares.

É comum internação para que o tratamento médico seja feito.

ATIVOS COSMÉTICOS PARA TRATAMENTO DA ACNE

Para combater as causas e efeitos da acne os cosméticos para tratamento devem conter ativos com as seguintes funções:

  • Queratolítica: remoção de células mortas acumuladas na superfície da pele, desobstruindo os óstios e evitando o acúmulo de sebo no interior dos folículos pilossebáceos
  • Antimicrobiana: combate a flora bacteriana exacerbada, promovendo restauração do equilíbrio microbiano da pele
  • Anti-inflamatória: tratamento dos sintomas dos processos inflamatórios (edema, rubor, dor, formação de pus)
  • Controle da oleosidade: regulação da produção de sebo, reduzindo as condições para proliferação da flora bacteriana

Vejamos alguns ativos amplamente usados para tratar a acne.

  • Ácido salicílico: possui ação queratolítica, antimicrobiana e anti-inflamatória. É muito usado em formulações de sabonetes líquidos para higienização do local afetado
  • Ácido Glicólico: ação queratolítica
  • Alantoína: ação queratolítica, calmante e cicatrizante
  • Ácido Lactobiônico: ação cicatrizante e hidratante
  • Ácido Azeláico: ação queratolítica, antimicrobiana, secativa e clareadora
  • Zinco: ação sebo-reguladora
  • Hamamélis: ação adstringente, anti-inflamatória, calmante e antioxidante
  • Óleo Essencial de Melaleuca: antisséptico, antimicrobiano, anti-inflamatório
  • Niacinamida (Vitamina B3): equilibra a função barreira da pele, melhorando a hidratação e tem ação anti-inflamatória

Lembrete: tão importante quanto tratar as causas da acne e hidratar a pele é protege-la dos raios ultravioletas.

Sendo assim, é indispensável incluir um protetor solar toque seco e de rápida absorção com proteção UVA/UVB na rotina diária matinal das pessoas com pele acneica.

A IMPORTÂNCIA DO EQUILÍBRIO ENTRE ÁGUA E ÓLEO NA PELE ACNEICA

Um erro muito comum das pessoas que sofrem com acne ou seborreia é usar em demasia ativos queratolíticos e sebo-reguladores.

Esses ativos são importantes para manter a pele livre do acúmulo de células mortas e do excesso de produção de sebo, ambos fatores determinantes para o agravamento do quadro da acne.

Porém tanto ativos queratolíticos quanto sebo-reguladores colaboram para a desidratação da pele.

Os ativos queratolíticos fragilizam o manto hidrolipídico, favorecendo a perda de água pela pele.

Os ativos sebo-reguladores diminuem a produção de sebo, lembrando que sebo é óleo e que ele faz parte da composição do manto hidrolipídico.

Dessa forma, menos sebo também compromete a funcionalidade da barreira da pele, igualmente favorecendo a perda de água.

Portanto é muito comum uma pele seborreica ou acneica estar desidratada.

Isso acontece porque ao focar muito em combater as causas da acne e pouco na hidratação da pele ocorre o prejuízo da manutenção de água dentro da pele e por isso ela fica desidratada.

O grande problema para as peles seborreicas e acneicas que estão desidratadas é que a pele responde a isso com o conhecido e temido “efeito rebote”.

CONSIDERAÇÕES SOBRE O EFEITO REBOTE

O “efeito rebote” trata-se de uma tentativa de a pele reter água em seu interior estimulando a atividade das glândulas sebáceas.

Ao produzir mais sebo a intenção é que o manto hidrolipídico seja reforçado e tenha sua função barreira restaurada.

O problema é que nas peles com tendência à acne, mais sebo significa maior probabilidade de proliferação bacteriana, o que irritará a parede dos folículos e causará novos processos inflamatórios.

O “efeito rebote” causado por uso errado de cosméticos é evitado quando a rotina diária de cuidados com a pele acneica inclui ativos hidratantes como Manteiga de Karité, Ácido Hialurônico, Ureia e Alantoína.

Outra causa de “efeito rebote” é exposição exagerada ao sol.

Em um primeiro momento até parece que o quadro melhora, porque aparentemente as lesões secam.

Mas alguns dias após à exposição solar a pele age da mesma maneira explicada anteriormente como resposta ao comprometimento da sua função barreira e da agressão sofrida por ela pela ação dos raios UVA/UVB.

Então novamente haverá super produção de sebo e posterior contaminação seguida da formação de processos inflamatórios.

Nesse caso a melhor maneira de evitar o “efeito rebote” causado pelo excesso de sol é mesmo manter-se longe dele.

Lembrando que um agravante do sol é o escurecimento das manchas pós-inflamatórias que muitas vezes foram formadas nas peles acneicas.

A IMPORTÂNCIA DA LIMPEZA DE PELE COM EXTRAÇÃO

Muitas pessoas com acne não acham importante fazer periodicamente a limpeza de pele com extração com uma esteticista.

Eu, como profissional da área, garanto que sem extrair os cravos que se formam a cada mês é muito difícil conter a proliferação bacteriana desordenada.

Ao remover o sebo contido no interior dos folículos pilossebáceos, a proliferação bacteriana tende a diminuir uma vez que as bactérias que contaminam o conteúdo desses folículos alimentam-se dele.

Além disso, as esteticistas usam recursos como vapor de ozônio, alta frequência, máscaras bactericidas, LED azul, entre outros, que eliminam as bactérias, diminuindo o quadro inflamatório a cada nova limpeza de pele.

Portanto uma grande parte da garantia de bom resultado do tratamento desse tipo de pele é a conscientização da necessidade periódica de fazer uma limpeza de pele com extração.

Os graus I e II de acne são muito beneficiados pela limpeza de pele com extração feita a cada 30 dias.

Sem esse procedimento há grande chance de os cosméticos usados não surtirem o efeito desejado, comprometendo a credibilidade do cliente na marca e no consultor de vendas.

Sendo assim, todo consultor de pele deve ter parceria com uma profissional esteticista para poder indica-la para seus clientes com pele acneica.

ACOMPANHAR A RESPOSTA DA PELE É IMPRESCINDÍVEL

A pele é um órgão vivo, aliás, o maior órgão do corpo humano.

Portanto ela reage aos estímulos internos e externos e suas características podem mudar de acordo com esses estímulos.

Isso significa que no início do tratamento a pele acneica pode estar com uma hipersecreção sebácea e grande acúmulo de células mortas na superfície da epiderme.

Porém, com o avanço do tratamento essas causas serão tratadas e os sintomas deverão regredir e até mesmo equilibrar.

É aí que o acompanhamento dessa mudança de condição é necessário para que o protocolo home care seja ajustado tanto quanto ao controle de oleosidade e remoção de células mortas quanto à hidratação da pele, avaliando-se quais produtos permanecerão na rotina diária e quais serão substituídos.

Esse é o grande diferencial do profissional que acompanha o tratamento da pessoa que tem pele acneica.

Seja esteticista, seja consultor de pele e cosméticos, seja dermatologista, esses profissionais têm a grande responsabilidade de adaptar os cosméticos às necessidades reais da pele do cliente.

O PAPEL DO CONSULTOR DE PELE

Em casos de acne o papel do consultor de pele é fundamental.

Ele precisa saber avaliar o grau de acne do seu cliente, entendendo que apenas a de Grau I poderá ser tratada com cosméticos.

A partir do Grau II é necessário avaliação e tratamento com uma esteticista e/ou dermatologista.

Se o consultor não tiver esse conhecimento ele pode colaborar para o agravamento do quadro acneico do seu cliente.

Ao contrário, se entender sobre graus de acne, ativos cosméticos para trata-la, equilíbrio entre óleo e água na pele e outras informações que foram passadas nesse artigo sobre o assunto, poderá ser de grande valia para seu cliente, ajudando-o a tratar e até mesmo a resolver o problema.

Se a marca que revende possuir linha específica para tratamento de acne o consultor poderá ajudar seu cliente a montar um protocolo assertivo, e também alertá-lo sobre a necessidade de orientação profissional, nos casos de processos inflamatórios mais avançados.

Também poderá acompanhar a evolução do tratamento e as mudanças na condição da pele, ajustando adequadamente o protocolo cosmético diário.

Assim, todo estudo e dedicação necessário para que esse conhecimento seja obtido será reconhecido na forma de fidelização de clientes e de indicação de muitos novos.

Porque consultores especialistas em pele são raros no mercado.

Seja você um deles.

Lembre-se: seja consumidor, seja consultor, suas dúvidas e comentários serão muito bem-vindos!

Tome posse do conhecimento que eu compartilhei com você e prospere!

Para aprender a identificar os graus de acne, assista ao vídeo abaixo.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Glória Toledo

Glória Toledo

Esteticista, cosmetóloga e massoterapeuta, atuo há 20 anos no ramo atendendo em consultório particular, em Campinas/SP.

Posts recentes

Glorinha no YouTube